domingo, 28 de março de 2010

Ridi pagliaccio


Sob o riso fácil de não querer desejar alguém em especial, fragmento o dia em poesias de amor. Aonde foi parar aquilo que nunca prosseguiu por medo de ter que me entregar a alguém? Cada canto tem uma musicalidade inexata quando se pensa em deitar numa cama vazia de desejos. Ontem tive um aviso que vc estava aqui, mas num lugar em que não podia te alcançar, então me deixei cair pelas ruas em busca de outra companhia que não me deixasse marcas de uma noite de amor perdida. Então liberto meu riso nem tão fácil assim...




... para esconder sobre ele a dor de não saber ainda onde está vc.

domingo, 21 de março de 2010

A beleza do gesto



Você já Amou?

Pela beleza do gesto.
Você já mordeu?
A maçã com todos os dentes?
Pelo Sabor do fruto
A sua doçura e o seu gosto.
Já se perdeu algumas vezes?

Sim, eu já amei
Pela beleza do gesto.
Mas a maçã era dura,
e quebrei os dentes
Essas Paixões imaturas,
esses amores indigestos
Deixaram-me mal disposto
algumas vezes

Mas os amores que duram
Tornam os amantes exaustos
E o beijo deles demasiado maduro,
apodrece-nos a língua

Os amores passageiros,
têm febres fúteis
E o beijo demasiado verde
Esfola-nos os lábios
Porque ao querer amar
Pela beleza do gesto,
o verme da maçã
Escorrega-nos entre os dentes
Ele roe-nos o coração,
o cérebro e o resto
Esvazia-nos lentamente

Mas quando ousamos amar
Pela beleza do gesto,
esse verme na maçã
Toca-nos o coração,
o cérebro e deixa-nos
O seu perfume lá dentro

Os amores passageiros,
fazem esforços inúteis
As suas carícias efêmeras,
cansa-nos o corpo

Os amores que duram
Tornam os amantes menos belos
As suas carícias usadas
Dão cabo de nós


E vc já amou pela beleza do gesto? E a maçã era dura ou tinha um sabor doce?