segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Untitle #13


Não quero mais este amor produto de supermercado escolhido numa prateleira, do tipo use, abuse e descarte numa lata de lixo... ou até quem sabe deixado esquecido em algum canto aprodecendo e corroendo a alma.

Quero antes o amor...
...que respeita o silencio calado de quem só quer sentir e que grita no mais alto som quando se sente sozinho.
...ensolarado que te faz rir de frases idiotas e chorar com as palavras mais simples: EU TE AMO.
... reconfortante que te aninha no colo e te faz repousar tranquilo sem questonar quem realmente vc é, o que vc sente e o que vc deseja.
...sussurrante que ecoa pelos ouvidos, arrepia a pele e que fica batendo no peito no ritmo desconcertado do coração.
...que incendeia o corpo em delirios, que gela a barriga, que prende a visão, que enche de extase...


Ops!Preciso tomar meus comprimidos pq já estou delirando e vendo coisas que não existem.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Fechando um ciclo

Este é um post diferente do que estou acostumado a publicar aqui mas não poderia deixar de fazê-lo. Em novembro de 2008 eu terminava finalmente de escrever uma dos textos mais importantes da minha vida chamado Esquizofrenia. No dia 04 de abril de 2008, um domingo, levantei sem grandes perspectivas de que algo acontecesse, e então vim para o computador. Nessa época ainda não existia o Canto Escuro do Meu Quarto, apenas o extinto Olhos da Alma. Não sei o que aconteceu nesse dia, mas como se tivesse entrado num estado de transe, acabei escrevendo um post, onde ao invés de um texto poético, saíram diálogos que ha muito tempo eu travava dentro de mim, mas que nunca havia colocados em palavras. Pois bem, resolvi postá-lo imaginando ser apenas mais um post, portanto ao mostrá-lo ao meu irmão Lukas ele me fez uma pergunta que mudou tdo: "Quando vc vai escrever a continuação?" . Na hora fiquei sem ter o que falar já que não era minha intenção escrever uma continuação. Porém esta pergunta ficou martelando na minha cabeça por um tempo e mais uma vez do nada me veio o que seria o segundo e o terceiro capítulos. Foi então que eu percebi que este texto deveria ter um espaço especifico e em junho de 2008 criei o blog Projeto Esquizofrenia e aquele post que era para ser único se desmembrou em mais 7 capítulos, contando o conflito de duas almas presas em um mesmo corpo. Mas a história deste texto não termina por ai não. Um dia conversando com um amigo sobre escrever peças de teatro me veio a mente a possibilidade de adaptar o texto em questão. E num é que deu certo? ( se ficou bom ou não isso já é uma outra questão). Chegou-se até a cogitar a montagem dela, porém acabou não dando certo. Até que durante a escolha de um texto para ser apresentado no festival de cenas de teatro, o mesmo amigo que me deu a idéia de adaptá-lo para o teatro sugeriu que a gente participasse do festival com uma cena da peça. Resultado, a peça ganhou como melhor texto inédito e ainda rendeu mais uma apresentação durante a feira do livro da cidade. Enfim, vc deve estar se perguntando pq estou contando tudo isso. Pois bem contei tudo isso porque hoje decidi fechar de vez o Projeto Esquizofrenia. Depois de mais de um ano no ar, sinto que chegou a hora de finalizar ele e não poderia de jeito nenhum deixar de registrar aqui tudo que significou para mim e é lógico agradecer algumas pessoas especiais: Gê(http://gaiamulherdefibra.blogspot.com/), Tárcio (http://lixo-e-purpurina.blogspot.com/), Lilian (http://bebidaeamorsemgeloporfavor.blogspot.com/), Dai Gothic Angel, Anjo Vermelho, que deixaram comentários no blog e que estarão para sempre guardados em meu coração e também a todas aquelas pessoas que um dia passaram por lá e não deixaram nenhum comentário. E mais do que lógico, deixar aqui a minha homenagem ao meu querido irmão Lukas (http://anovacela.blogspot.com/), pois sem o seu incentivo isto tudo nunca teria acontecido e ao meu grande amigo Edi que proporcionou a realização do sonho de levar, mesmo que apenas uma cena, este texto para os palcos.


O vídeo abaixo fazia parte do texto representando o sonho que o corpo tem logo depois que uma das almas mata a outra e então ela se percebe sozinha.

video


O vídeo abaixo é a cena que foi montada e apresentada na feira do livro.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Untitle #12


Há um cansaço incomum em minha mente. O pensar se torna distante frente a acontecimentos esquecidos por nunca te-los vivido. Deixo que o movimento irracional dos meus dedos venham dizer o que meu coração é incapaz de demonstrar. Ainda dói lembrar daquela noite, única em delírios de puro amor contido. Ainda desce pela minha garganta as lágrimas de um dia ter entendido que não fui preparado para o amor, e entre delírios, sonhos, e devaneios febris vejo uma imagem se materializar em minha retina, sinto uma boca retirando-me o ar quando toca suavemente os meus lábios, e uma corrente elétrica toma meu corpo em espasmos quando sinto um toque a me aprisionar em braços que não sei quem são...



...sombras do desconhecido que me reconhecem no meio do caminho...


...vento que sopra no interior de minha mente arrastando os sonhos que ainda restam.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Untitle #11


Acho que esquecestes de mim... ou seria eu que esqueci que não existo mais.
Mataram aquele que um dia veio aqui com os olhos brilhando de esperança,
com o coração sangrando mas avido por sua cura
e com os olhos presos em palavras que pareciam verdadeiras.
Mas há o silêncio,
há o ser esquecido,
há o ser deixado para trás
(maldições de berço).



Então, não esquecestes de mim, apenas esqueci de dizer que neste canto sombrio só há um cadáver de que não merece sequer ter alguma atenção.