domingo, 22 de março de 2009

Untitled #4



Ontem estive perto de vc, mas num piscar de sentimentos, te vi partir sem dizer sequer um adeus. As palavras que eu tinha preparado para vc, ficaram perdidas entre o céu da minha boca e uma lágrima que fugiu dos olhos meus. Sei que esta dor vai passar e pela gentilza de meus amigos escuto que não merecia ter vc aqui, mas como seguir se tenho suas mãos a me sufocar a garganta? Deixei meu corpo estendido sobre a cama numa resposta ao que não posso explicar. Ainda ontem tinha um brilho imediato que fazia minha alma se aquecer, hoje tenho um sonho que deixei para tráz em busca de algo que preencha o vazio que vc deixou em meu coração, resultado de uma noite que insiste em querer ficar na minha lembrança como uma mancha que não se pode limpar. Queria que a chuva que cai lá fora viesse lavar minha alma e acalmar meu coração, mas ela só faz aumentar a dor de um dia ter sonhado com uma noite que não tem mais fim.

4 comentários:

Luiza disse...

Oi...
Não consegui apenas ler e ficar de longe...nossa, que lindo, me fez chorar com a beleza, o sentimento colocado ali...enfim, nem sei o que dizer...amei.
Bjs.

Luiza

Renato disse...

Oi Luiza!
Nossa muito obrigado mesmo pelos elogios, num imaginava que fosse tocar alguém desse jeito.
Obrigado mesmo!
Bjos!

Pensadora disse...

Belíssimo texto, Renato. A chuva da maneira como você colocou me fez lembrar de um outro texto, do qual desconheço o autor.



Chuva nos olhos

“Chove.
Na fonte das águas, chove.
Na fronte das lágrimas do pretérito calado.
Lavando a chuva dos olhos cansados.
Chovendo nos mares, nos mares amados.”

.
.
.

Lindo, não?

Bjs.

Renato disse...

OI Paula!
Nossa que poema maravilhoso esse, adoro poesias assim curtas e que falam no fundo da alma da gente. Obrigado pela visita e pelo elogio.
Bjão!