segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

E no meio da multidão...


São personagens que se encontram distante de onde se pode alcançar. São olhares perdidos, almas assustadas entre a saudade e um abraço amigo. Pernas que vão. Pés que voltam sem um rosto conhecido para dizer pelo menos: oi. É só mais um caso de amor. Só mais uma esperança que ronda minha alma, pois longe está quem um dia entrou em meu coração.

4 comentários:

ρoësis disse...

feliz texto. Subjetivo. Esconde entre as linhas coisas profundas, disfarçadas de palavras. Entendi mta coisa, de verdade mesmo. Posso não ter entendido o que estavas passando quando escreveu, mas me fez refletir sobre o que sou.

Renato disse...

Oi Emmanuel!
Obrigado pelo coment, sinto-me lisonjeado com tamanho elgio vindo de um poeta tão magnífico como vc. Que bom que este texto te fez refletir em alguma coisa na sua vida.
Um grande abço meu amigo!

Tárcio disse...

"longe está quem um dia entrou em meu coração"

eis a grande ironia do amor!

Renato disse...

Oi Tárcio!
Ironia? isso é sacanagem mesmo. rsrsrsrsrrsrs
Um abção!