domingo, 21 de setembro de 2008

Desde a útima noite


Meu coração dói, quando penso na última noite de felicidade que tive. Não foi nada em especial. Sentei ao seu lado, ri do seu sorriso e vi nos olhos mais brilhantes a força que tem o amor. Foi um dia de paz que deixou meu espírito livre. Ansioso espero vc voltar. Não nos dias cinzento que cobrem minha visão, mas no escuro absurdo das noites em claro que deixo o sono seguir em frente enquanto as lágrimas despencam num pranto silencioso e ridículo de se ver. Foi especial ter vc ao meu lado, mas não restou um lado depois que vc foi embora. Agora deito a cabeça num travesseiro enquanto seu corpo vai repousar distante. Livre de vc, me vejo sozinho agarrando em olhares, que me confundem, me enganam e me fazem pensar que posso ser feliz.

4 comentários:

Lucas Nietzel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Renato disse...

Oi Lucas!!
Obrigado meu irmão por sempre tão gentil e tem as pelavras certas para descrever os sentimentos. Muito obrigado por ser meu irmão!!
Um abço!

Lita disse...

Maravilhoso!!!!!
Pranto de saudade, pranto pelo vazio que ficou, pranto pela ausência de quem se foi....
Quem, meu amigo, não já chorou esse pranto?????
Amei!!!

Renato disse...

Oi Lita!!
Pois é minha querida amiga, quem nunca derramou esse pranto... Mas como bem disse o Lucas no comentário dele isso mostra que temos sensibilidade dentro de nós.
Muito obrigado!!
Um bjão!!