sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Versos infantis


Eu vejo a morte em seus olhos
Eu vejo a dor no seu coração
Eu vejo a cor negra de sua alma
Eu vejo a letra da última canção

Canção de ninar que termina em pranto
Brincadeira infeliz no fundo do quintal
Que na última hora, talvez por encanto
Arranca-se do peito, a inocência, com um punhal.

Punhal que não foi feito com aço
Mas com mãos impiedosas que perfuram a alma
Arrancam do peito o coração
Sem pena, com dor, com calma.

E no escuro de um porão
Vai chorar sozinho a dor que ainda sente
Por ser um homem sem ter sido menino
Por nunca sentir o amor no seu coração.

10 comentários:

Lucas Nietzel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Renato disse...

Oi Lucas!
Pois é, saiu meio que sem querer esse texto e quando eu vi percebi mesmo que tinha ficado bem deprimente mesmo, mas fazer o que né?
Obrigado meu irmão.
Um abço!

Tárcio disse...

acho que entendo!
como foi dito ali em cima: bem triste! Gostei!

Thá disse...

Profundo e doloroso!

Fico feliz que vc consiga externar sua dor, Renato ;)

Renato disse...

oi Tárcio!
Poxa vlw! Nem sei o que te dizer só não esperava que fosse agradar tanto este poema.
Muito obrigado!
um abço!

Renato disse...

Oi Thais!!
Que bom ter vc por aqui. Obrigado pela visita e pelo coment. Sabe aprendi uma coisa ou externamos nossa dor ou ela nos consome então é isso que to fazendo antes que eu suma. rsrsrsrssrsr
Um bjão!

Borboleta de sonhos disse...

Adoro o que escreve
Sempre profundo!!!
beijos, kiwi!!

Renato disse...

Oi Jú!!!!
Obrigado, que vc gostou fico feliz em ver vc por aqui.
Um bjão

Mr.Magic disse...

Lindo..

Renato disse...

Oi Mr. Magic!!!
Obrigado pelo elogio, fico feliz que tenha gostado e espero que volte outras vezes.
Um abço!