domingo, 24 de agosto de 2008

Mantenha a distância


Há um sentimento exacerbado de solidão quando me vejo rodeado por pessoas. Olho assombrado para cada olhar e percebo que não faço parte deste mundo. Estou longe num mundo particular de sonhos e devaneios que me impedem de chegar onde estão. Logo, são inocentes vítimas do meu sarcástico medo de interagir. Não, não sou bonzinho, legal e gentil, sou antes um vampiro que suga as suas forças para saciar minha sede de afeto. Então se afaste de mim, não olhe nos meus olhos, não queira me entender, pois existe dentro de mim um demônio que não me deixa ver a quem ataco. Enxugo mais um lágrima que parte de meu coração em direção aos meus olhos. Amarga, dolorida e manchada da com as cores da decepção de ter um dia confiado em alguém. Palavras são armas, enganam o coração, dilaceram a alma e te jogam no mais profundo abismo. Negra, a noite vem despejar sobre meus ombros o peso de mais uma vez ter acreditado que haveria sinceridade nas palavras ternas e afetuosas de uma pessoa. Maldita solidão que me faz mendigar atenção, e acreditar que sou importante na vida de alguém. Sina amldiçoada lançada sobre a inocêcia de uma criança. E então sigo o meu caminho pela noite, sugando cada gota de afeto, magoando cada ser que ousa cruzar o meu caminho e deixando cada vez mais de acreditar nas palavras de alguém que um dia eu nem sei se eu magoei.

6 comentários:

Lucas Nietzel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thais disse...

Posso me aproximar?
Você aceita um prêmio em reconhecimento aos seus valores, Renato?

Espero que sim! =D

Renato disse...

Oi Lucas!
Infelizmente temos algo em comum que não é nada agradável. Mas muito obrigado por sempre estar aqui e sempre me apoiar. Vlw irmão!
Um abço e fica bem ai!

Renato disse...

Oi Thais!
Tem certeza mesmo que vc quer se aproximar?
Mas aceito sim de vc esse prêmio que p mim é uma honra poder recebe-lo de uma pessoa tão especial.
Um bjão p vc!

Espectro disse...

Bom Renato, se vc se identificou com o meu texto "INSANO", acho q este aqui q vc escreveu deve ser meu, escrito em um dia no futuro, ou esquecido na memoria do passado. Ja havia antes comentado, que os seus textos parecem com os meus, sinto que descreve-me como se me conhecesse, não como qlqr pessoa, mas por ser e/ou talvez viver como eu.
Leia depois o texto "O MONSTRO DENTRO DE MIM". Parecem que muitos dos meus textos e seus, foram tirados de um mesmo livro. O livro da vida dilacerada pela sutil miseria dos sentimentos humanos.

Renato disse...

OI Douglas!
Obrigado por vir me visitar aqui tbm. Apesar de ter lido poucos textos seus por enquanto(pois ainda quero ler todos)já percebi mesmo que tamos escrevendo o mesmo livro, só não sei onde cruzamos nossas vivências para sentirmos o mesmo.
mais uma vez obrigado!