domingo, 20 de julho de 2008

Durma medo meu


Todo o chão se abre
No escuro, se acostuma
Às vezes a coragem é como quando a nova lua
Somos a discórdia
E o perdão
E nos esquecemos da cor que tinha o céu, assim
Como a saudade
Ou uma frase perdida
Durma, Medo Meu
Durma, Medo Meu
Hmmm, não
Às vezes um "não sei"
Janela, madrugada, luz tardia
E o medo nos acorda
Pára e bate o coração
Em pura disritmia
O medo amedronta o medo
Vela, madrugada, dia, assim
Como a saudade
Ou uma frase perdida
Durma, Medo Meu
Durma, Medo Meu
(Teatro Mágico)

Um dia ainda encontro um medicamento que faça meu medo dormir, só ele. Nem que seja por uma noite apenas, por um pequeno instante, o suficiente para que eu possa pelo menos ter a coragem de tomar a inciativa de acabar com essa solidão.

4 comentários:

Borboleta de sonhos disse...

É, também queria, rê!
Um espanta medos
Que não espante a vida rss
beijos!!

Renato disse...

Oi Jú!!
Vc disse tdo que não espante a vida.
Obrigado pelo coment.
Bjos!!

Lucas Nietzel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Renato disse...

É Lucas acho que vc tem toda razão, só falta abrir o lacre mesmo, mas infelizmente acho que meu lacre veio com defeito e vou ter que quebrar o vidro.rsrr
Um abço!