terça-feira, 22 de julho de 2008

Do outro lado do muro


Uma vez, conversando com um amigo, fui surpreendido com a seguinte questão: Por que você é tão sozinho se a solidão te faz tão mal?( Não precisam torcer o nariz não que desta vez o assunto é outro) Bem, na hora a pergunta me pegou desprevenido e assumo que cheguei a gaguejar ( não no sentido literal porque pelo msn não tem como) e tropeçando nas palavras respondi mal e porcamente para ele. Porém, apesar da conversa ter acabado por ali, esta pergunta continuou martelando em minha cabeça, até tentei responder alguma coisa no post "Como Sempre, Solidão!" mas não foi o suficiente para acalmar as marteladas em minha cabeça. Nem sei se agora será, mas pelo menos tenho a certeza que mais uma peça desse quebra cabeça está sendo colocada no seu lugar. Hoje num lapso de inteligência consegui perceber que a solidão está relacionada com fatos que vivi e que mais uma vez tentei esquecer mas que surtiu o efeito contrário. Por favor, este texto não tem nada a ver em querer me fazer de vítima e criar uma pose de coitadinho, pois pena foi feita para as aves. A solidão que vocês já devem estar cansados de ler em meus textos, não é uma coisa que decidi para mim, mas são fatos que com o tempo foram se acumulando dentro de mim formando esta barreira que me separa do mundo a minha volta. São demônios que foram tomando conta de mim e que preciso exorcizá-los. Confuso? Talvez, mas paciência estou tentando um jeito de dizer o que aconteceu sem parecer que estou me vitimizando( detesto esta palavra). Sei que não sou o único, não fui o primeiro e nem serei o último a passar pelo que passei ( e sei que ainda vou passar), por isso mesmo venho até aqui expor um pedaço de minha vida, para quem sabe possa abrir os olhos de alguma pessoa que passou ou que passa o mesmo que passei( pretensioso é pouco). Bem, depois de tanta enrolação pseudofilosófica vou direto ao assunto. Poderia citar aqui um monte de fatos que fizeram com que eu criasse essa barreira, mas vou me ater apenas a alguns que julgo mais importante.
1º Por volta de 8 anos foi erguida a base que seria o alicerce para começar a construção deste muro. Confiei em uma pessoa que não só traiu minha confiança mas que usou ela para satisfazer seus desejos mais sórdidos.
2º Tive uma adolescência que julgava tranquila, cheia de "amigos", pessoas que considerava, que admirava, que batia no peito para dizer que era um AMIGO e que de uma hora para outra me diz na minha cara que eu era um babaca, que todos riam de mim de tão ridículo que eu era. Isso porque era meu meu melhor AMIGO.
3º Quando em total desespero diante da solidão resolvi pedir ajuda a alguém que julgava ser o mais importante para mim, o que recebi foi um olhar de "tá e o que eu tenho a ver com isso?".
4º E para finalizar, já na era virtual, ser totalmente iludido com amizades que falavam em admiração e amor, mas que num clicar do mouse simplesmente desapareceram sem me dar o direito de explicação ou simplesmente fingem que eu não existo se esquecendo do poder que tem as palavras.
Bem, era ai que eu queria chegar. O muro que criei ao meu redor me fazendo aprisionado junto a solidão não foi algo que eu dividi que seria assim, ele tem paredes bem concretas que forma colocadas ao longo desta miserável vida de interesses vãos. Não meus caros leitores (olha como sou chique já tenho até leitores), não estou aqui reclamando das desventuras que a vida coloca em nosso caminho, estou apenas teorizando sobre o que seria a resposta certa ao meu amigo e quem sabe, por um acaso, nem que se for por um breve acaso, talvez ajudar alguém a enxergar que a solidão muitas vezes é uma barreira que foi construída muito lentamente mas que quando você consegue entender como ela foi construída, você também pode descobrir como derrubá-la.


O que vcs acham?

12 comentários:

Lucas Nietzel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Renato disse...

Oi Lucas!!
Sim, agora sim eu sei que posso mudar isso. Eu só precisava entender de onde vinha essa questão e mais uma vez te agradeço por me estender a mão e me mostrar por onde caminhar para que eu pudesse entender, não só pela sua pergunta que me levou a buscar essa resposta mas tbm pelo seu texto Amizade? que me abriu os olhos e me fez enxergar o porquê.
Pode ter certeza que tbm te considero um irmão, mais novo é claro(rsrsrs) e que mesmo que nossos caminhos sigam diferentes vou sempre ter vc nas minhas orações.
Um abço!

Diário de Ana disse...

Renato
Concordo com você...
As pessoas muitas vezes nos decepcionam... ate mesmo a quem confiamos nossa vida, nossa historia...
Esse medo de confiar sempre vai estar presente, infelizmente é inevitável, já possou muitas decepções do tipo... Mas o único jeito de vencer esse medo é acreditando!
Esse na verdade é o maior desafio pra acabar com essa solidão...

Sinceramente desejo a ti pessoas em quem possa confiar, desejo uma grande vitória pra ti... e que essa solidão se acabe...

Gosto muito de ti...
Beijos
=***

Renato disse...

Oi Ana!
Sim com certeza esse medo é algo bem complicado para lidar, mas não e´algo impossível, mas não quer dizer tbm que temos que nos abrir para qualquerum mas temos que nos permitir seguir em frente.
Obrigado pelo carinho!
Um grande bjo para vc!

Tárcio disse...

'( Não precisam torcer o nariz não que desta vez o assunto é outro)'
Eu ri nessa parte!

Gostei do texto... você escreve bem... faz a gente ler atéo fim!

Até mais!
(:

Renato disse...

Oi Tárcio!!
Que bom que vc gostou do texto. Vc é muito gentil sempre, quem me dera ter a sua capacidade de dizer o que sente em poucas palavras.
Vlw mesmo!!
Um abço!

Jaime Melo disse...

"Há uma luz que nunca se apaga"

Te vejo

^^

Renato disse...

Oi Jaime!!
Que bom te ver por aqui.
Obrigado pela visita!
Um abço!

Gê Gaia disse...

Renato,acho que nada acontece por acaso...Outro dia, li um Poema do Lucas e disse para ele que de vez em quando me identifico com certas palavras ou histórias escritas por outras pessoas.
É como se alguém escrevesse a minha história usando outras palavras...
Parece que cada um de nós é um pedacinho de um quebra-cabeças e vamos conseguir unir todas as peças e, ainda, seremos muito felizes.
Embora, pareça o contrário, sou uma pessoa muito "na minha", a solidão me faz bem, pois descobri muita falsidade e jogo de interesses nos supostos "amigos". Tenho poucos amigos, não importa se é real ou virtual, para mim a amizade espiritual é que interessa. Procuro me aproximar das pessoas de bem e que querem compartilhar a paz,ajuda mútua, respeito e que queira compreender que "cada um é o que é", ninguém tem o direito de julgar, caso contrário, procuro me desligar da pessoa sem causar-lhe ressentimento.
"DO OUTRO LADO DO MURO" me encorajou a "subir" e olhar o outro lado do meu muro, depois de 48 anos de vida... Está sendo terrível, mas eu precisava ver para o meu próprio bem e daqueles que me amam. Estou sofrendo muito com o que se passou comigo durante a infância e a adolescência e como isso vem repercutindo até hoje: assédio moral, discriminação dentro do próprio lar, mentiras, medo, tortura psicológica...
Mais uma vez vc me ajudando (e a outras pessoas, também)!
Deus te abençoe!
Bjim no seu coração.

Renato disse...

Oi Gê!
Nossa me pegou de surpresa esse seu comentario pois num imaginava que este texto fosse mexer tanto com uma pessoa como mexeu com vc, isso para mim é muito gratificante. Que bom que vc pode olhar por cima desse muro, mesmo que a visão não seja aquela que vc queria para vc, mas pode ter certeza que já é um grande passo para que vc consiga derrubar esse muro e ser feliz com as pessoas que vc ama.
Obrigado por sempre star aqui.
Um bjão!!!

Thá disse...

Amigo, qual a sua resposta: o que farei eu da solidão, peculiar ao ser humano ??

Todos temos solidão, e con-vivemos com ela dia após dia.. Sei que sou do tipo que ainda acredita em amizade, relacionamento e confiança, apesar de ter passado por situações parecidas (e isso ñ me surpreende!) eu decido, por mim, ainda acreditar...

Ai, ai, ai, você me inspira, Renato :)

Renato disse...

Oi Thais!
Com certeza a solidão faz parte de cada um de nós chegando ao ponto de ser essencial em alguns momentos. Mas é justamente isso qu e vc disse que eu ainda busco, uma força cpaz de derrubar este muro que me isola do mundo e que não deixa eu ver que existem pessoas a minha volta.
Fiquei feliz em saber que te inspiro, isso é uma honra p mim.
Um bjão p vc!!